. Tendência em compras online deve permanecer após fim da pandemia

Tendência em compras online deve permanecer após fim da pandemia



Foto divulgação



Uma tendência crescente se tornou ainda mais forte com a pandemia do novo coronavírus, a de fazer compras online. O e-commerce se provou indispensável para a sobrevivência de muitas empresas e da economia, de uma forma geral. Mesmo as marcas que já vinham investindo nessa modalidade de vendas, podem aproveitar o momento para evoluir sua estratégia e fidelizar este cliente. 

Antes mesmo da necessidade de isolamento social, 6% dos consumidores já realizavam compras diariamente pela internet, segundo a última edição do estudo da PwC Global Consumer Insights. A pesquisa entrevistou consumidores dos cinco continentes do mundo, no segundo semestre de 2018. Naquela época, 25% dos consumidores afirmaram realizar compras via internet semanalmente, 36% fazem isso uma vez ao mês e 23% algumas vezes no ano. Outro dado relevante é que entre 2015 e 2019 a taxa de pessoas que realiza aquisições de produtos pelo celular (24%) praticamente se igualou com o de usuários que utilizam o computador (23%) para a tarefa. 

No entanto, o que tem se mostrado cada vez mais evidente, é que o ato adquirir uma mercadoria não se deve apenas ao produto, mas à experiência do consumidor (Consumer Experience - CX) durante a compra. O estudo aponta que comprar pelo celular tem se tornado cada vez mais comum pois retira as barreiras que podem desencorajar o engajamento do consumidor. Como, por exemplo, a necessidade de verificar se há um produto no estoque, filas para realizar o pagamento, estacionamento e até mesmo barreiras emocionais, como vendedores que não fazem contato visual.

Conquistando o consumidor 
Não basta automatizar. Para que o consumidor tenha uma experiência de sucesso, ela deve ser mais humanizada, especialmente no momento atual em que as pessoas já estão distantes umas das outras. Para algumas delas, é muito difícil realizar compras sem ver pessoalmente, experimentar, provar. Para isso, é fundamental receber um apoio, que nesse momento pode ser através de um vendedor, trabalhando na modalidade home office, dedicado a esclarecer as dúvidas do cliente e auxiliar em todo o processo. 34% dos entrevistados da Global Consumer Insights julgou primordial na sua experiência de compra, o amplo conhecimento do funcionário sobre o produto em questão. 

Ainda de acordo com o estudo da PwC, o êxito da experiência do consumidor (CX) vai estar intrinsecamente ligado à experiência do funcionário (Employee Experience – EX). Para incrementar esse quesito na companhia, é recomendado fortalecer a cultura da empresa e certificar-se que ela seja clara para os empregados. Outra dica é não criar metas inalcançáveis, mas sim estabelecer um objetivo e a partir dele traçar pequenas tarefas, com metas específicas, ambiciosas e com limite de tempo estabelecido.  

As impressões deixadas pelas marcas durante a pandemia vão permanecer e influenciar futuramente em seus negócios. As empresas mais valorizadas serão aquelas que se mobilizaram para ajudar verdadeiramente o consumidor durante um momento de necessidade. Assim como as que contribuíram para a permanência de empregos e salários de seus funcionários durante a crise. 


Postar um comentário

0 Comentários