. Dra Jeane juver fala do aumento na procura pela medicina paliativa após pandemia

Dra Jeane juver fala do aumento na procura pela medicina paliativa após pandemia

Os anos passam e a Medicina evolui cada vez mais. Não apenas por causa da modernização tecnológica, mas também através da criação de novas especialidades e áreas de atuação, para melhoria do cuidado e aplicação das novas técnicas. Recentemente, no Brasil, muitos médicos vêm adotando uma nova área de atuação conhecida como Medicina Paliativa.  Apesar de ser um método ainda pouco conhecido pelos brasileiros, tem sido muito procurada após a pandemia, pelas dores provocadas pelo coronavírus e por ser  extremamente importante na saúde do corpo e da mente. 

Foto divulgação



"A medicina paliativa busca estudar, pesquisar e tratar sintomas angustiantes, com o objetivo de evitar sofrimento físico, mental, social e espiritual ao paciente e seus familiares.Dentre esses sintomas, a dor merece destaque por ser um dos principais motivos de busca aos serviços de saúde ao redor do mundo, e por estar frequentemente associada ao sofrimento. O isolamento social, a ansiedade, o medo e a pandemia provocaram muitas dores nas pessoas, algumas provenientes de outros males além do COVID", explica Dra. Jeane Juver.

De acordo com especialistas, é possível aumentar a qualidade e expectativa de vida, através de tratamentos que busquem por meio de vários mecanismos biológicos, físicos e mentais, sanar sintomas que nem sempre serão originadas fisicamente. No caso da dor, isso pode ir além, afetando o equilíbrio fisiológico, capacidade funcional, emocional, espiritual e social das pessoas que sofrem com ela. É por isso que essa área de atuação está ganhando cada vez mais espaço no mercado, com clínicas especializadas e profissionais que trabalham em clínicas e hospitais, sendo recomendada para pacientes que tratam de dores agudas ou crônicas, independente da doença. 

médica Jeane Juver é  anestesiologista, com área de atuação em Dor, e professora adjunta da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense – UFFPara Jeane, "ser médico significa cuidar, tratar de forma individualizada para melhorar a qualidade de vida do paciente, já que muitas doenças não tem cura. É possível controlar a dor trazendo melhor qualidade e expectativa de vida às pessoas. Há estudos que comprovam que utilizar a medicina paliativa para o controle de sintomas em várias doenças, acaba sendo mais benéfico do que a busca por tratamentos mais radicais."

Dra. Jeane lembra que independente da pandemia não se deve descuidar de outras dores ou doenças, principalmente os pacientes de câncer, Explicar o que é dor é muito diferente de senti-la. Dores raramente estão relacionadas a um único fator. Elas possuem componentes físicos, neuropáticos, psicológicos e até sociais. É uma sensação subjetiva e que, até por isso, às vezes recebe menos atenção do que deveria. Segundo Jeane Juver é importante ficar claro que dor é dor e não importa a causa ou a intensidade, sempre merece ser levada com seriedade. Durante a pandemia Jeane Juver tem atendido pacientes terminais de câncer gratuitamente no consultório da Ilha, RJ.






Postar um comentário

0 Comentários