. HEC realiza a primeira cirurgia de correção de escoliose pediátrica do interior do estado pelo SUS

HEC realiza a primeira cirurgia de correção de escoliose pediátrica do interior do estado pelo SUS

*HEC realiza a primeira cirurgia de correção de escoliose pediátrica do interior do estado pelo SUS* 

O Hospital Estadual da Criança (HEC) realizou a primeira cirurgia pediátrica de correção de escoliose idiopática do interior do estado pelo SUS. Atualmente, a cirurgia só era feita na capital. A primeira paciente, uma adolescente de 13 anos, foi operada nesta sexta-feira, 18. De alta complexidade, o procedimento durou cerca de oito horas, com utilização de neuromonitorização intraoperatória, técnica que permite uma navegação cirúrgica de última geração, onde um computador acompanha a manipulação dos instrumentos e implantes realizados pelo cirurgião.

Foto divulgação



Unidade do Governo do Estado, o HEC é gerido pela Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil (mantenedora do Hospital Martagão Gesteira). De acordo com a diretora operacional do Hospital, Lívia Leite, a equipe multiprofissional se especializou para proporcionar um atendimento seguro e de qualidade para o jovem e para os próximos pacientes que virão. 

“Essa nova cirurgia que passa a ser oferecida é mais um passo importante para a abrangência dos serviços de saúde ofertados pelo HEC. Ajudar as crianças baianas que são acometidas por essa enfermidade, podendo promover qualidade de vida e melhora da autoestima, minimizando impactos futuros para a vida dessa criança, é sempre muito significativo para nossa equipe e para a Liga Álvaro Bahia como um todo”, afirma Lívia.

O procedimento utilizará, também, um sistema de autotransfusão, com dispositivo sofisticado, que fornece a reutilização e reaproveitamento do sangue do paciente durante a cirurgia. “Foi um procedimento bastante desafiador. As indicações cirúrgicas começam em 45 a 50 graus de desvio na coluna e, com a técnica conhecida como método de Cobb, mensuramos a curva escoliótica da paciente em 120 graus, o que causava restrição pulmonar, alteração do seu equilíbrio e um alto grau de deformidade”, detalha o ortopedista e traumatologista do HEC, Dr Sérgio Murilo. 

Os próximos procedimentos já estão previstos para serem realizados e os pacientes já estão fazendo exames preparatórios.



Postar um comentário

0 Comentários